Nizardo Wanderley

Cavaleiro Solitário

Textos


MENDIGO DE LUZ
 
Eu vivo a mendigar o amor de pego em pego
Feito um zumbi tristonho querendo ocupar
Féretros insepultos que vivem a vagar
Sozinhos como eu (além de louco, cego).
 
Sento-me nas calçadas, como cacarecos...
Tranco-me em banheiros de rodoviárias
E choro as minhas mágoas e dores diárias
Enxugando meu pranto à sombra dos botecos.
 
E a cada novo dia, a cada madrugada
Eu vivo por viver, mas não produzo nada
A não ser poesias que ao beber eu digo...
 
 
Resta-me, doravante, u’a catacumba fria
Pra acalentar, com os vermes, minh’alma vazia
E acabar de uma vez a saga de um mendigo...
Nizardo Wanderley
Enviado por Nizardo Wanderley em 13/09/2008
Alterado em 13/09/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras